Potycabana pode fechar as portas

Curta o Veja Timon no Facebook
Potycabana pode fechar as portas
Nova Potycabana

O caso da novela é antigo, de alguns meses pra cá e com atraso de quatro meses no salário dos funcionários e falta de recursos para a manutenção, o Parque Nova Potycabana está mais uma vez ameaçado de fechar as portas. O campo de futebol é uma das áreas afetadas e passou a funcionar apenas uma vez por semana. A possibilidade de fechamento ocorre exatamente no período em que triplica o número de visitantes. No último sábado (17), cerca de 28 mil pessoas foram ao espaço de lazer.

O superintendente do parque, Francisco Mota, conta que tem mantido diálogo com representantes das secretarias de Educação e Administração, mas não há confirmação sobre o prazo para a regularização do repasse.

“O Estado tem um sistema de pagamento financeiro e o dinheiro ainda não foi liberado. O repasse de agosto foi realizado em dezembro. Agora já são quase cinco meses de atraso. O diálogo tem sido positivo, porém, ainda não tem prazo. A ameaça de fechamento existe por que o parque precisa de dinheiro para funcionar e vamos sustentar a situação até o início do mês de fevereiro”, explica Chicão.

Ao todo 45 funcionários trabalham na Nova Potycabana divididos entre área de limpeza, fiscais de conservação e administrativo. Francisco Mota ressalta ainda que a prioridade dos recursos é para o pagamento dos funcionários. Por outro lado, reforça que a  manutenção da infraestrutura está comprometida.

“Deixamos de investir na infraestrutura de manutenção. O campo de futebol, que passou uma temporada de dois meses parado e antes funcionava duas vezes, funciona agora uma vez por semana. Não há recursos para cortar a grama. Além da quadra de areia, a questão da pintura, há o teto do palco grande para fazer, projetos que deveriam ser executados e não estão em funcionamento”, elenca o superintendente.

Francisco Mota não quis precisar o montante total dos débitos referentes ao parque e disse que está sendo realizado um levantamento para atualização das despesas.

A Potycabana é administrada por uma associação que tem convênio com a Coordenadoria da Juventude. Porém, os repasses são feitos pela Secretaria Estadual de Educação. Em outubro de 2014, o parque também esteve ameaçado de paralisar as atividades devido a um débito de R$ 980 mil.

Secretaria envia nota

A Secretaria Estadual da Educação informa que os repasses para o Parque Potycabana estão atrasados na gestão anterior. Antes de retomar os pagamentos, a atual gestão da Seduc decidiu encaminhar o contrato de gestão com a entidade que administra o Parque (Associação de Promoção da Juventude), as prestações de contas apresentadas, entre outras informações, à Procuradoria Geral do Estado para avaliar possíveis irregularidades.

A nota diz ainda que estão sendo observados os débitos da Seduc com a entidade, a legalidade do contrato de gestão, da contratação de pessoal e as prestações de contas. Em aproximadamente uma semana, a Seduc espera receber o parecer da PGE e apresentar à administradora da Potycabana sua decisão sobre a retomada dos pagamentos e quitação dos débitos anteriores. O prazo deve coincidir com a abertura do sistema de administração financeira do Estado, ou seja, até lá nenhum repasse poderá ser efetuado.

 

Edição: Veja Timon

Imagem: Divulgação

Via: Cidade Verde

Comentar via FaceBook

Comentários

Deixe uma resposta