Blog do RibinhaGeral

“Batida policial” na casa do governador WD atinge gestão de Luciano Leitoa na Educação

O prefeito é réu em processo da segunda fase da operação Topic junto com dono da Locar Transportes

Se a chegada do asfalto nas ruas de Timon anunciada com alarde pelo prefeito Luciano Leitoa na semana passada como forma de alavancar a pré-candidatura da sua tia Sebastiana Veloso, ex-secretária de Educação do município, não teve o efeito esperado ainda, pior foi o reflexo negativo desta segunda-feira com a “batida policial” na casa do governador Wellington Dias pela Policia Federal em busca de documentos e provas da participação de sua mulher, a deputada federal Rejane Dias na operação Topic, da CGU, que investiga a roubalheira dos recursos do Fundeb destinados ao transporte escolar que atingiu o Governo do Piauí, prefeituras piauienses e a Prefeitura de Timon.

A “batida policial” refrescou a cabeça dos timonenses, que mais uma vez viram o nome de sua cidade envolvida no escândalo de roubo de recursos do transporte escolar de suas crianças, pois o prefeito, segundo inquérito policial e desdobramentos da operação é réu acusado de desvio de recursos do transporte escolar junto com o dono da empresa Locar Luiz Carlos Magno que cumpre prisão domiciliar em Teresina, após ser preso na primeira fase da operação e depois de pagar fiança milionária.

A terceira fase da operação Topic, segundo a Policia Federal investiga a continuidade da roubalheira nos anos de 2018 e 2019, isso quer dizer que mesmo com a primeira e segunda fases da operação Topic, que resultou em prisões, ainda houve a continuação nos anos seguintes.

Em Timon, a “batida policial” na casa do governador WD gerou expectativa de que, os policiais federais, que desembarcaram no Aeroporto de Teresina na semana retrasada, atravessassem a ponte com mandatos e possíveis investigações, pois de acordo com relatório da CGU, em 2019, foi apurado que a merenda escolar de Timon está superfaturada em 100 por cento, como é caso de uma abóbora que foi repassada para o almoxarifado com o peso de 2 kilos, mas que na hora de preparar a merenda seu peso era de 4 kilos segundo relatório da CGU. (Veja aqui).

Outras irregularidades foram apontadas no relatório. Segundo a vistoria do CGU, no local dos refeitórios e cantinas onde as merendas eram preparadas, foram encontradas baratas e animais domésticos junto com os gêneros alimentícios.

A dor de cabeça pode ser maior

Mas se o asfalto, a esperança do prefeito Luciano Leitoa, em tempos de pandemia, para melhorar sua rejeição e refletir louros na campanha sua tia não teve efeito positivo, por outro lado, o gestor foi informado por sua assessoria jurídica, que o fato dele ter levado sua pré-candidata para as obras de inicio da pavimentação asfáltica configura em abuso de poder em favor da pré-candidata e que por isso, os outros candidatos, através de suas assessorias preparam peças jurídicas denunciando o ato.

Esse é o primeiro teste!

 

Comentar via FaceBook

Comentários

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.