Mais de 40% dos alunos de Ensino Médio pensaram em desistir de estudar em 2020

spot_img
Compartilhe:

Pelo segundo semestre consecutivo, o Conselho Nacional da Juventude (Conjuve) realizou a pesquisa ‘Juventudes e a Pandemia’, onde foram divulgados dados a respeito da evasão escolar de adolescentes e jovens que cursam o Ensino Médio. Dentre as causas, psicopedagogos pontuam o desconhecimento das ferramentas do ensino remoto para muitos alunos e o desemprego dos mantenedores familiares.  

A doutora em Educação e professora de Pedagogia da UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau em Teresina, Leila Medeiros, explica que a pesquisa foi realizada com cerca de 68 mil alunos de todo o Brasil, trazendo a problemática de diversas regiões e realidades. Segundo Leila, os principais impasses são a falta de acesso a equipamentos e a queda das rendas nos lares. “O adiamento e suspensão de aulas exigiu a retomada dos encontros de forma virtual, o que impactou a relação dos alunos com os estudos, ainda que seja a ferramenta mais propícia e inclusiva. A partir daí, emergem as situações de falta de disciplina e de interesse para aulas remotas, além dos estudantes que têm necessidades especiais e, com certeza, precisaram de auxílio especializado”, disse a pedagoga.  

O desemprego afetou grande parte das famílias brasileiras, contrariando a permanência e retorno para as salas de aula. Leila Medeiros explica que, os problemas nos lares, sejam financeiros ou não, repercutem na aprendizagem e na disposição de continuar estudando. “Infelizmente, 38% dos que foram entrevistados abandonaram a escola porque precisaram ajudar na renda familiar. E 8% do total afirma que, ainda que se finalize a pandemia, não retornarão a estudar. Um retrato grave, que terá implicações futuras sérias e com reflexos prolongados. Precisamos de ações estratégicas para melhorar esse cenário: apoio pedagógico especializado para adequação ao ensino híbrido ou remoto e políticas públicas que garantam a segurança dos jovens, no sentido de existir uma renda básica para eles, minimizando as distrações durante este período”, finaliza a professora Leila Medeiros.  

Ainda que o ensino remoto esteja alcançando mais alunos, pela melhoria da acessibilidade em termos gerais, a vacinação em massa torna-se a principal alternativa para um ambiente saudável para educadores e estudantes. Quase metade (47%) dos entrevistados acreditam que o maior incentivo para o retorno às aulas é a completa imunização dos funcionários e alunos. Dessa forma, os impactos serão minimizados e as perspectivas futuras se tornam mais favoráveis para todos os alunos. Por Ricardo Mousinho da ASCOM Uninassau

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Cego em tiroteio: Weverton Rocha grava vídeo ao lado de Queiroga e inspirado na imagem de Bolsonaro

Preterido por Flávio Dino na eleição estadual, o senador Weverton gravou um vídeo com Marcelo Queiroga e com um quadro de Bolsonaro ao fundo O...

Câmara entrega título de cidadania ao empresário Ilson Mateus em cerimônia bastante prestigiada

A homenagem ao empresário foi proposta pelo vereador Uilma Resende, presidente da Casa, e foi aprovada por unanimidade por todos os parlamentares. Na noite da...

Socorro Waquim pontua trabalho de suas gestões nos empreendimentos que se instalam em Timon

Signatária do projeto de lei aprovado em 2019, que concedeu Titulo de Cidadão Timonense ao bilionário Ilson Mateus, dono do conglomerado de lojas Grupo...