Maranhão perderá 21,3 bilhões em benefícios sociais e ambientais e deixar de criar 53 mil empregos sem a universalização do saneamento

spot_img
Compartilhe:

O Instituto Trata Brasil, em parceria com a Ex Ante Consultoria Econômica e apoio institucional da Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público de Meio Ambiente (Abrampa), divulga o estudo “Benefícios Econômicos e Sociais da Expansão do Saneamento no Maranhão” visando mostrar os ganhos sociais, ambientais e econômicos que a universalização do saneamento básico traria ao estado, um dos que possuem os maiores desafios em relação a levar água tratada, coleta e tratamento de esgotos a todos os maranhenses.

Confira detalhes no estudo completo. (Clique).

SETEMBRO DE 2021 – No Brasil, dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), ano 2019, mostram que o país ainda possui 35 milhões de pessoas sem acesso à rede de água potável e mais de 100 milhões sem coleta dos esgotos. Somente 49% dos esgotos gerados no país são tratados, o que equivale a jogar todos os dias na natureza uma média de 5,3 mil piscinas olímpicas de esgotos sem tratamento. A universalização dos serviços de saneamento e esgoto trariam inúmeros benefícios em diversas áreas econômicas e sociais, gerando ganhos que contribuiriam para o crescimento nacional.
Mesmo vivendo uma das maiores crises hídricas da história, com reservatórios vazios e riscos de falta de água para abastecimento humano e animal, agricultura e geração de energia, o Brasil ainda perde 39,2% da água potável nos sistemas de distribuição nas cidades, antes de chegar às casas. São mais de 7 mil piscinas olímpicas de água já potável perdidas por dia e uma maior eficiência no setor de saneamento ajudaria, e muito, a manter os reservatórios mais cheios.
Nesse contexto, o Instituto Trata Brasil, em parceria com a Ex Ante Consultoria Econômica, divulga o estudo “Benefícios Econômicos e Sociais da Expansão do Saneamento no Maranhão” visando mostrar os ganhos sociais, ambientais e econômicos que a universalização do saneamento básico traria ao estado, um dos que possuem os maiores desafios em relação a levar água tratada, coleta e tratamento de esgotos a todos os maranhenses.
O estudo traz uma abordagem ampla dos ganhos que o estado teria de 2021 a 2040, prazo limite para a universalização desses serviços de acordo como novo Marco Legal do Saneamento (Lei Federal 14.026/2020), mas também num cenário de 35 anos, até 2055, prazo usual nos contratos de concessão e subconcessão do setor.

CENÁRIO DO SANEAMENTO NO MARANHÃO

O Maranhão possui 7,1 milhões de habitantes espalhados em 217 municípios. Segundo informações do SNIS em 2019, apenas 48,4% da população é atendida com abastecimento de água, enquanto somente 11,5% possuem coleta de esgoto em suas residências. O estado avança lentamente nesse sentido, nos últimos 15 anos (2005 a 2019), dos atuais 7 milhões de habitantes, menos de 100 mil pessoas passaram a ter acesso ao serviço de abastecimento de água tratada e 246 mil passaram a ter o serviço de coleta de esgoto.

Gráfico 1 – População atendida por água e esgoto no Maranhão de 2005 a 2019
Fonte: SNIS
Quando analisamos a situação do saneamento básico nos 16 maiores municípios do estado (Tabela 1), o estudo mostra que, em 2019, de uma população de 7,1 milhões, vimos que 3,6 milhões de pessoas ainda moravam em residências sem acesso à água tratada, desse número 184,6 mil residem em São Luís. No caso do acesso à coleta de esgoto o número foi ainda maior 6,6 milhões de habitantes moravam em residências sem coleta de esgoto. Na capital 50,4% da população não tem acesso aos serviços de coleta de esgoto, ou seja, 554,8 mil habitantes.

Os recursos hídricos da região recebem uma carga de 160,6 milhões de m³ por ano de água poluída, o que equivale a cerca de 85 mil piscinas olímpicas de poluição por ano ou 233 piscinas olímpicas de poluição por dia. Os números explicitam que o Maranhão tem um longo trabalho no sentido da universalização desses serviços

PRINCIPAIS GANHOS FUTUROS COM A UNIVERSALIZAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO

Primeiramente, é importante notar que, nos últimos 15 anos, entre 2005 e 2019, mesmo com baixo avanços dos serviços de água e esgotos, o estado acumulou ganhos equivalentes a R$ 2,1 bilhões em benefícios gerados pelo investimento em saneameno.
Para o futuro, o estudo leva em consideração dois períodos de análise: de 2021 a 2040, que é o tempo definido pelo novo marco regulatório do saneamento, e o de 2021 a 2055, que é a extensão temporal usualmente empregada em contratos de concessão ou subconcessão. Traz também os ganhos do legado da universalizaçao no futuro. Para se chegar à universalização, o estudo aponta a necessidade de investimentos de R$ 6,3 bilhões; recursos capazes de incorporar quase 4 milhões de pessoas no sistema de distribuição de água tratada e cerca de 6 milhões de pessoas no sistema de coleta de esgoto. Com a universalização do saneamento até 2040, o Maranhão teria ganhos líquidos, ou seja, já descontados os investimentos necessários, de 11,3 bilhões em benefícios e, até 2055, um ganho de R$ 13,4 bilhões.


REDUÇÃO DE CUSTOS COM A SAÚDE DE 2021 A 2055
A valor presente, a economia total com a melhoria das condições de saúde da população do estado do Maranhão pela chegada do saneamento, entre 2021 e 2055, deve ser de R$ 80,2 milhões ao ano ou de R$ 2,8 bilhões no período.
AUMENTO DA PRODUTIVIDADE NO TRABALHO DE 2021 A 2055
Estima-se que haverá um forte aumento da produtividade do trabalho devido à dinâmica futura do saneamento do Maranhão. A valor presente, o aumento de renda do trabalho com a expansão do saneamento entre 2021 e 2055 será de R$ 86,8 milhões ao ano ou de R$ 3 bilhões no período.
VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA DE 2021 A 2055
Em termos de renda imobiliária, estima-se que o ganho para os proprietários de imóveis que alugam ou que vivem em moradia própria será de R$ 73 milhões por ano no conjunto do estado do Maranhão, o que totalizará um ganho a valor presente de R$ 2,5 bilhões entre 2021 e 2055. Esse valor foi calculado tomando por referência o estoque estimado de moradias do ano de 2020 e os valores de aluguel – pagos ou implícitos, ou seja, o custo de oportunidade dos proprietários de imóveis próprios — médios de 2020 e o que prevalecerão com a universalização do saneamento.
RENDA DO TURISMO DE 2021 A 2055
Entre 2021 e 2055, a valor presente, os ganhos com o turismo devem alcançar R$ 63,7 milhões ao ano ou de R$ 2,2 bilhões no período. Esse ganho é fruto da valorização ambiental que pode ser obtida com a melhor balneabilidade das praias, da despoluição dos rios e córregos e a oferta universal de água tratada, pré-condição para o pleno exercício do turismo.
RENDA GERADA PELOS INVESTIMENTOS E OPERAÇÕES DE 2021 A 2055
Investimentos – Entre 2021 e 2055, os investimentos em saneamento no estado devem alcançar R$ 6,3 bilhões. A renda direta, indireta e induzida gerada por esses investimentos devem somar R$ 8,2 bilhões. Assim, os excedentes de renda gerada pelos investimentos devem ser de R$ 1,9 bilhão no período.
Operações – Entre 2021 e 2055, o incremento de renda nas operações de saneamento deve alcançar cerca de R$ 2 bilhões no Maranhão e o aumento de despesas das famílias com essas operações deve somar R$ 1,6 bilhão. Assim, o excedente de renda gerada pela ampliação das receitas da operação de saneamento será de R$ 476,2 milhões no período de 2021 e 2055.
O LEGADO DA UNIVERSALIZAÇÃO
A universalização do saneamento deixará um legado para o futuro. Na saúde, por exemplo, com uma redução de custos que deverá gerar a R$ 1,5 bilhão na economia e um aumento esperado da renda imobiliária também de R$ 1,5 bilhão. No balanço de ganhos e gastos, no caso do Maranhão, o valor é positivo numa faixa de R$ 2,7 bilhões.
Importante mostrar que, no período de 2021 a 2055, haverá um movimento crescente de geração de emprego e renda durante a expansão das redes e a estabilização num patamar de 53 mil postos de trabalho na região. A renda gerada pelos investimentos e atividades deve alcançar R$ 6,2 bilhões em 2031 e, posteriormente, deve se estabilizar acima de R$ 6 bilhões anuais até o final do período.


Além dos ganhos sociais e econômicos, há os ganhos ambientais com a despoluição dos mananciais, rios, córregos e lagos da região, com ganhos inestimáveis, será um grande legado da universalização do saneamento no Maranhão.
Para Édison Carlos, presidente-executivo do Instituto Trata Brasil, “O estudo mostra que o Maranhão seria um dos estados brasileiros que teria os maiores ganhos sociais, ambientais e econômicos com a universalização do saneamento básico. Além da melhoria da saúde da população, da educação e mais empregos, alavancaria muito o potencial turístico a ser desenvolvido. É a conjunção perfeita, mas precisa decisão do Estado e dos municípios, senão o Maranhão pode perder esse momento histórico.”

PARA ENTREVISTAS, CONTATE A COMUNICAÇÃO DO INSTITUTO TRATA BRASIL:
Coordenador de Comunicação – Rubens Filho
rubens.filho@tratabrasil.org.br / (11) 97502-4719
Analista de Comunicação Jr. – Giovanna Linck
imprensa@tratabrasil.org.br / (11) 3021-3143

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Em evento especial, Câmara de Timon debate sobre suicídio e violência contra a mulher

O evento foi organizado pela vereadora petista Da Luz do 7 Estrelas. Nesta terça-feira, 26, foi realizada na Câmara Municipal de Timon um evento para...

Adolescentes da Funac participarão de ação social na Casa do Idoso em Timon

Adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa no Centro Socioeducativo de Semiliberdade de Timon, unidade da Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), participarão, nesta...

Compartilhamento de mensagens de WhatsApp pode gerar dever de indenização  

Advogado explica que há a garantia ao sigilo das comunicações pelo artigo 5º da Constituição, além do aplicativo proporcionar a segurança das mensagens...