Gil Cutrim acionado na justiça por improbidade

spot_img
Compartilhe:

prefeito-gil-cutrim-sao-jose-de-ribamar  O prefeito de São José de Ribamar, Gil Cutrim, foi acionado por improbidade administrativa após ter gastado R$ 1.887.985,86 contratando uma construtora para executar as obras de uma arquibancada e de uma área de apoio do Estádio Dário Santos, em dezembro de 2013. Quem moveu a Ação Civil Pública foi a 1ª Promotoria de Justiça Cível de São José de Ribamar.

Também foram acionados André Franklin Duailibe da Costa, secretário municipal de Obras, Habitação e Serviços Públicos (Semosp), membros da Comissão Central de Licitação, como o presidente Freud Norton Moreira dos Santos, Cláudia Regina Furtado Vieira e Gissele Chaves Baluz. Os sócios da construtura Blume Engenharia LTDA, Rafael Blume de Almeida e Antônio Blume de Almeida, também foram acionados.

Segundo o Ministério Público, São José de Ribamar firmou convênio com a Secretaria de Estado do Esporte e Lazer (Sedel) para a realização da obra em novembro de 2013. Para a promotora de Justiça, Elisabeth Albuquerque, a contratação da Blume Engenharia LTDA, menos de um mês depois, aconteceu em “tempo agressivamente veloz”.

Fraude
Segundo a  titular da 1ª Promotoria de Justiça Cível, em 2013, quando foi lançado o edital, a Prefeitura o veiculou em um jornal impresso de pequena circulação e com um tamanho de fonte bastante reduzida, que só pode ser lida com o uso de uma lupa. Com isso, apenas a Blume Engenharia LTDA se increveu no certame. “Isso demonstrou a necessidade de deflagrar novo processo licitatório, proporcionando ampla concorrência”, afirmou Elisabeth Mendonça.

Além disso, o Ministério público também denunciou que o edital não foi publicado no Diário Oficial do Maranhão e que não existe parecer jurídico sobre a minuta do edital de licitação, uma espécie de rascunho inicial do documento. O MP detectou, ainda, que não foi definido quem faria a fiscalização e acompanharia a gestão dos contratos e trabalhos das obras, conforme estabelece a Lei 8.666/93.

“Percebe-se, nitidamente, que os requeridos sequer tiveram o trabalho de disfarçar as fraudes”, denuncia a representante do MPMA.

Punição
O Ministério Público, na ação, requereu do Poder Judiciário que seja decretada liminarmente a indisponibilidade dos bens de todos os acusados e da empresa Blume Engenharia LTDA, no valor de R$ 1.887.985,86 milhão, para cada um, impedindo o desvio do patrimônio durante do processo, para garantir o ressarcimento aos cofres públicos do valor da licitação, com correção monetária, acrescentando, também, multa por dano moral a ser estipulada pela Justiça.

Para isso, o MPMA pediu à Justiça que oficie o Cartório de Registro de Imóveis de São José de Ribamar e São Luís, bem como aos cartórios cíveis e de família e o Detran a fim de evitar a transferência de imóveis, automóveis e quaisquer valores de inventários ou heranças a serem recebidas pelos acusados.

A promotora de justiça pediu, ainda, a perda do cargo público do prefeito, suspensão dos direitos políticos e proibição de contratar com o poder público.

 

Edição: Veja Timon

Via: G1

Compartilhe:
Veja Timonhttps://www.vejatimon.com
O Veja Timon foi desenvolvido para suprir os timonenses com informações de um modo geral, onde a política não venha ser o foco central. Um site diversificado e imparcial, trabalhamos para levar um conteúdo de relevância para cidade. Veja Timon - Junto Com o Povo

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Em evento especial, Câmara de Timon debate sobre suicídio e violência contra a mulher

O evento foi organizado pela vereadora petista Da Luz do 7 Estrelas. Nesta terça-feira, 26, foi realizada na Câmara Municipal de Timon um evento para...

Adolescentes da Funac participarão de ação social na Casa do Idoso em Timon

Adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa no Centro Socioeducativo de Semiliberdade de Timon, unidade da Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), participarão, nesta...

Compartilhamento de mensagens de WhatsApp pode gerar dever de indenização  

Advogado explica que há a garantia ao sigilo das comunicações pelo artigo 5º da Constituição, além do aplicativo proporcionar a segurança das mensagens...