MaranhãoTeresina

Teresina registra mais sete mortes e ultrapassa os 1.800 casos confirmados de Covid-19

A capital do Piauí totaliza agora 1.821 pessoas infectadas e 57 mortes pelo novo Coronavírus.

Teresina tem 50 novos casos e sete óbitos por Covid-19 em 24 horas. É o que aponta o boletim epidemiológico da Fundação Municipal de Saúde (FMS) e da Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi), divulgado na noite desta segunda-feira (25). A capital do Piauí totaliza agora 1.821 pessoas infectadas e 57 mortes pelo novo Coronavírus.

Entre os óbitos por Covid-19 ocorridos nesta segunda-feira (25) e registrados no boletim epidemiológico estão um homem de 76 anos, com histórico de hipertensão arterial, residente na zona leste da cidade e que estava internado em hospital particular; uma mulher de 65 anos, com hipertensão e diabetes, residente na zona norte e que estava internada no Hospital Getúlio Vargas; e uma mulher de 47 anos, com hipertensão arterial e obesidade, residente na zona leste, que estava internada no Instituto de Doenças Tropicais Natan Portela.

O boletim epidemiológico registrou duas mortes ocorridas no domingo (24): um homem de 16 anos, com osteossarcoma, residente na zona sul, que estava internado em hospital da rede privada; e uma mulher de 84 anos, com hipertensão arterial e diabetes, residente na zona norte, que estava internada no Hospital Getúlio Vargas.

O documento registrou também uma morte ocorrida sábado (23): uma mulher de 49 anos, com doença cardiovascular e diabetes, residente na zona sul, que estava internada no Hospital de Urgência de Teresina (HUT).

De acordo com o boletim epidemiológico, foi registrado ainda um óbito ocorrido dia 20 de maio, mas cuja confirmação por Covid-19 só se deu agora: uma mulher de 73 anos, com doença cardiovascular e diabetes, residente na zona sudeste, que estava internada no Instituto de Doenças Tropicais Natan Portela.

“Os dados nos mostram o agravamento e o aumento do número de casos. Isso significa que o vírus está se propagando de forma muito veloz entre nós. Precisamos reforçar as medidas de prevenção. O esforço tem que ser de todos e de cada um. Sei que não é fácil dizer para as pessoas ficarem em casa e que muitos precisam sair para trabalhar. Mas todos nós precisamos nos esforçar ainda mais, aumentar a frequência de higienização das mãos com água e sabão, reduzir ao máximo o contato com outras pessoas. Temos que fazer todo o possível para reduzir a disseminação da infecção”, comenta Wesllany Santana, do Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública (COE), da Fundação Municipal de Saúde de Teresina.

Comentar via FaceBook

Comentários

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.