CPI da Covid de inicia fase de depoimentos com convocados ausentes respaldados por habeas corpus

spot_img
Compartilhe:

Foi iniciada na manhã desta terça-feira, 28 de setembro, uma nova fase da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada na Câmara Municipal de Timon para investigar eventuais omissões do governo municipal em relação ao combate à pandemia do novo coronavírus. O vereador Ulysses Waquim, presidente da CPI, ressalta que após a fase de coleta e análise de documentos a comissão passará à fase onde serão ouvidas testemunhas.

Nesta terça-feira estavam previstos os depoimentos do secretário municipal de Saúde de Timon, Marcus Vinícius, e também do ex-secretário da pasta, vereador Márcio Sá, porém ambos obtiveram um habeas corpus da justiça e não compareceram à audiência, que teve início às 09h, no plenário da Câmara Municipal de Timon. Estiveram presentes os membros da Comissão, vereador Ulysses Waquim, vereador Neto Peças, vereador Juarez Morais, vereador Drº Torquato e vereador Irmão Francisco, além dos vereadores Uilma Resende, professora Vanda, Kaká do Frigo Sá, Alinne Macedo, Helber Guimarães e Jorge Passos.

Para o presidente da CPI, vereador Ulysses Waquim, a ausência do gestor e do ex-gestor da saúde do município à audiência é uma tentativa de obstruir o trabalho investigativo da comissão, além de ser uma falta de respeito à população timonense.

“Eles são gestores públicos e precisam esclarecer os gastos públicos referentes à pandemia. Timon recebeu mais de R$ 20 milhões somente destinado ao enfrentamento da pandemia e os gestores que estavam à frente da secretaria de saúde eram os responsáveis pela celebração de contratos, por isso devem saber como esse dinheiro foi gasto. Perdemos 377 vidas e muitos dos que foram acometidos com essa doença hoje vivem com sequelas. O que queremos aqui é esclarecer como os recursos públicos foram utilizados”, destacou.

O presidente da Câmara Municipal de Timon, vereador Uilma Resende, pontuou que na condição de presidente da Casa deu total liberdade para que os demais parlamentares levassem à frente a investigação, já que cumpriram todas as exigências regimentais para a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito e que como cidadão timonense também cobra para que os recursos públicos sejam gastos com honestidade e transparência, em espacial os recursos destinados à saúde da população. Uilma Resende, assim como todos os veradores presentes à audiência, também criticou a ausência dos gestores da saúde do município de Timon.

“Existe uma máxima que diz ‘quem não deve não teme’, se não estão devendo, então o que custava comparecer? Sabem o que aconteceu aqui, neste exato momento? Eles assinaram um atestado de culpa. E quem discordar disso é conivente. Vou fazer um apelo aos 21 vereadores, que esqueçam as questões políticas e peçam que eles venham aqui, que não colaborem com isso. Pois eles pediram habeas corpus, mas os únicos que perderam a sua liberdade foram os 377 timonenses que perderam suas vidas para a covid”, pontuou Uilma Resende.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Cego em tiroteio: Weverton Rocha grava vídeo ao lado de Queiroga e inspirado na imagem de Bolsonaro

Preterido por Flávio Dino na eleição estadual, o senador Weverton gravou um vídeo com Marcelo Queiroga e com um quadro de Bolsonaro ao fundo O...

Câmara entrega título de cidadania ao empresário Ilson Mateus em cerimônia bastante prestigiada

A homenagem ao empresário foi proposta pelo vereador Uilma Resende, presidente da Casa, e foi aprovada por unanimidade por todos os parlamentares. Na noite da...

Socorro Waquim pontua trabalho de suas gestões nos empreendimentos que se instalam em Timon

Signatária do projeto de lei aprovado em 2019, que concedeu Titulo de Cidadão Timonense ao bilionário Ilson Mateus, dono do conglomerado de lojas Grupo...