GeralTeresina

Governo Federal lança campanha e promove curso sobre suicídio em Teresina

O suicídio é um grave problema de saúde pública, que pode ocorrer por vários fatores e, segundo a Organização Mundial de Saúde, 90% dos casos estão atrelados a transtornos mentais.

Nesta segunda-feira (30), mais de 200 pessoas participaram do curso sobre prevenção ao suicídio e à automutilação, realizado pelo Governo Federal, através do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, em parceria com a Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina. A iniciativa faz parte da campanha nacional “Acolha a Vida” e aconteceu no Hotel Blue Tree, centro sul da capital.

O suicídio é um grave problema de saúde pública, que pode ocorrer por vários fatores e, segundo a Organização Mundial de Saúde, 90% dos casos estão atrelados a transtornos mentais.  Em Teresina, somente em 2018, os serviços de saúde notificaram 583 casos de violências autoprovocadas, correspondendo a 97,43% tentativas de suicídio e 2,57% automutilações. Desse total, 79% eram do sexo feminino e 21% masculino.

O evento contou com a participação da secretária nacional da família, Dra. Ângela Gandra, do prefeito Firmino Filho, do presidente da FMS, Charles Silveira, da gerente de saúde mental da FMS, Luanna Bueno, de vereadores, além de profissionais de saúde e da sociedade. Após a abertura, foi ofertado curso que abordou fatores de risco e de prevenção do suicídio e automutilação, ministrado pelo psicólogo Dr. Carlos Aragão.

A Secretária Nacional da Família, Dra. Ângela Gandra, relatou que, diante de casos de pessoas com comportamento suicida, é necessário que a família e a sociedade em geral os acolha. “É preciso aguçar o olhar familiar para esse problema, que pode ser patológico. Queremos despertar as famílias para observar a pessoa com comportamento suicida. Perceber, acolher e, em um segundo momento, que deve ser rápido, procurar um profissional de saúde”.

Presente no evento, o prefeito Firmino Filho afirmou que todos podem contribuir com a prevenção do suicídio. “É importante dizer que as possíveis formas de enfrentamento a esse grave problema estão dentro da família e fora dela. Estamos aqui para fazer esse chamamento, debater o tema com toda a sociedade e o poder público. Já avançamos na área da saúde mental, temos resultados significativos, mas pretendemos avançar cada vez mais”.

O presidente da FMS, Charles Silveira, demonstrou satisfação em participar do evento e alertou que, em caso de transtorno psíquico, a conduta das pessoas deve ser acolhedora e não julgadora. “Nós queremos dar o nosso testemunho de que temos priorizado políticas voltadas à saúde mental. Estamos fortalecendo a rede de assistência e queremos envolver todos em prol da vida: poder público, família, professores, ONGs e sociedade em geral”.

A gerente de saúde mental da FMS, Luanna Bueno, informou que, para contribuir com a prevenção, a população deve se apropriar de informações sobre a temática. “É preciso ter informações, e falar da maneira correta também é uma forma de prevenção,  que envolve não divulgar casos isolados de suicídio para não impulsionar outras pessoas fragilizadas terem a mesma conduta. A prevenção é uma corrente de todos e não só da área da saúde”.

Comentar via FaceBook

Comentários

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.