Longas horas de trabalho podem afetar saúde física e mental  

spot_img
Compartilhe:

A exposição a longas horas de trabalho ou estudo ganhou força mundialmente durante o período de quarentena. De acordo com uma pesquisa da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Internacional do Trabalho (OIT), milhares de pessoas morrem anualmente de doenças cardíacas e derrame, causas relacionadas ao excesso de atividades. Ainda de acordo com especialistas, o Brasil está na faixa de países com até 4% da população nesta situação e alertam para a necessidade de pausas durante o expediente.

Quando novos hábitos dão início aos problemas de sono e ansiedade, por exemplo, é ideal repensar essa rotina. Como explica a professora e coordenadora de Psicologia da UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau em Teresina, Dayane Arrais, o mais importante é ficar atento aos sinais de estresse e organizar o dia seguinte para que não haja atropelos.  “Trabalhar em casa afetou muitas pessoas de várias formas. Isso, em grande parte, porque o limite de horário ficou flexível, as demandas se tornaram mais “urgentes” e as cobranças, reais ou não, cresceram muito. Para amenizar essa situação, o importante é que a pessoa se organize, produza com dedicação durante o expediente, separe um espaço longe do local de repouso e tire pequenas pausas de 5 minutinhos para descanso. Isso pode gerar maior produtividade e sua mente agradece”, explicou Dayane. 

A pesquisa da OIT também evidenciou que uma carga horária semanal superior a 55 horas está associada com o risco 35% maior de AVC e até 17% dos casos de morte por doenças cardíacas, em comparação aos que cumprem 40 horas semanais. Segundo a professora e coordenadora de Enfermagem do Centro Universitário, Mauryane Lopes, a longa exposição pode piorar os casos para quem já tem a predisposição. Assim, alerta para a importância de checkups semestrais, como também a relevância de serem conhecidos os sinais que sinalizam a inspiração de cuidados.  O alerta também fica para os homens de meia idade em diante, que correspondem a quase três quartos dos que morrem em decorrência da sobrecarga laboral. Por isso, é essencial que, mesmo que não esteja em situações extremas, o estudante ou trabalhador faça checkup, visitando um profissional na área da clínica geral e/ou cardiologia. O importante é ficar atento aos sinais e, antes de tudo, se precaver. Nossa saúde é inegociável e precisa ser vista em sua amplitude”, completa Mauryane.   

Para auxiliar em questões de saúde mental, a Clínica Escola de Psicologia do Centro Universitário disponibiliza atendimento gratuito para a comunidade. Os interessados devem entrar em contato pelo número (86) 99987-5239 e agendar a consulta já com início em agosto. A Clínica está localizada no prédio do Centro Universitário na Av. Jóquei Clube, nº 710. Ricardo Mousinho da ASCOM Uninassau

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Morre “Flávio Jubileu” figura lendária de Timon

A deputada Socorro Waquim lamentou a morte de Flávio Jubileu. Após ter sido anunciada sua morte por várias vezes, realmente hoje, 27, foi anunciada e...

Em evento especial, Câmara de Timon debate sobre suicídio e violência contra a mulher

O evento foi organizado pela vereadora petista Da Luz do 7 Estrelas. Nesta terça-feira, 26, foi realizada na Câmara Municipal de Timon um evento para...

Adolescentes da Funac participarão de ação social na Casa do Idoso em Timon

Adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa no Centro Socioeducativo de Semiliberdade de Timon, unidade da Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), participarão, nesta...